Wi-Fi Brasil leva internet a mais de 13 mil pontos remotos do país

São cerca de oito horas de viagem para chegar à comunidade indígena Guató, localizada no Pantanal sul-mato-grossense. Mas não são oito horas de carro não, são oito horas de barco. E de barco rápido, conta o cacique Osvaldo Correia da Costa: “Para comprar mantimentos, precisamos de um barco maior. Aí são três dias navegando pelo rio.”

O acesso complicado dificulta a chegada de serviços e a comunicação com outras comunidades. A secretaria especial de Saúde Indígena (Sesai) é a responsável pelo atendimento dos indígenas e diz que o contato com o mundo externo antes era feito apenas por meio de um telefone, que ficava na base do Exército na aldeia. Com a chegada da internet, no entanto, a comunicação ficou mais fácil. A Sesai conta hoje com o auxílio do programa Wi-Fi Brasil e consegue entrar em contato com a aldeia até por aplicativo de mensagens.

A chegada da internet pelo Wi-Fi Brasil também impactou a vida na aldeia Porto Lindo, localizada no município de Japorã, em Mato Grosso do Sul. Segundo o líder guarani-kaiowá, cacique Roberto Carlos Martins, os 5,5 mil indígenas passaram a ter melhores oportunidades de trabalho, estudo e pesquisa, além dos aspectos de comunicação. “Rapidamente a gente consegue se comunicar não só com a comunidade mas a comunidade também com o poder público, poder privado. Então a gente tem essa facilidade hoje”.

O cacique, no entanto, alerta que a internet também traz aspectos negativos à aldeia, assim como ocorre em grandes centros urbanos: o tempo excessivo que o indivíduo fica conectado. “Em vez de estar conversando e brincando estão ligados na internet”, comenta.

Pelo Brasil afora

Hoje o programa conta com mais de 13,3 mil pontos de internet em funcionamento, instalados em escolas, unidades de saúde, de segurança e de prestação de serviços públicos em áreas remotas, de fronteira ou de interesse estratégico, além de aldeias indígenas e comunidades quilombolas – todos lugares de difícil acesso.

“Aonde ninguém chega, a gente chega com sinal de internet de qualidade”, diz o secretário de Telecomunicações do Ministério das Comunicações, José Afonso Cosmo Júnior. O número de pessoas atendidas ultrapassa os 8,5 milhões, segundo o governo.

Panorama geral do Wi-fi Brasil.
Arte/Agência Brasil

Pessoas como a dona de casa Maria Aparecida Pereira, moradora do povoado Conceição do Jacinto, que fica no interior de Minas Gerais. “Com a internet eu consigo escutar o choro e a voz do meu neto, acompanhar o engatinhar, os primeiros passos. Vou assistindo ao crescimento dele por videochamada. Se não fosse a internet, não conseguiria.”

E não é só para conversar com a família que a internet serve. Cosmo Júnior conta o exemplo de uma comunidade que, assim que obteve o sinal de internet, foi logo questionar o prefeito sobre uma bomba d’água que teria sido retirada sem qualquer explicação. “No fim das contas, a exclusão digital é também social”, diz.

Wi-fi Brasil, por regiões.
Arte/Agência Brasil

Tecnologia via satélite

O secretário de Telecomunicações lembra que o programa só foi possível depois do lançamento do Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações (SGDC): “Não tínhamos, antes, um satélite que cobrisse todo o Brasil com essa capacidade de dados que o SGDC tem.” 

Lançado em 2017, o SGDC está em órbita a 36 mil quilômetros da Terra e possibilitou o estabelecimento de uma política pública de atendimento às regiões mais remotas já que cobre, com o mesmo sinal, o país inteiro.

O programa tem duas modalidades. Na primeira, a internet é instalada em pontos fixos como escolas e unidades de saúde. Na segunda, ela é levada a praças públicas onde podem ser usadas por qualquer pessoa. Atualmente são 21 praças que contam com o sinal do Wi-Fi Brasil, mas outros 2 mil pontos já estão com contratação em andamento, segundo o Ministério das Comunicações.

Brasília - Primeiro satélite geoestacionário brasileiro para defesa e comunicações estratégicas é lançado ao espaço (Marcello Casal Jr/Agência Brasil)
Primeiro satélite geoestacionário brasileiro para defesa e comunicações estratégicas foi lançado em 2017 Marcello Casal jr/Agência Brasil

Previsão

A expectativa, segundo o secretário de Telecomunicações, é que 500 novos pontos sejam instalados até a primeira quinzena de maio, e mais 4 mil até o fim de 2021. De acordo com Cosmo Júnior, boa parte dos recursos para o programa está vindo de emendas parlamentares.

De 2020 para 2021 o valor das emendas destinadas ao Wi-Fi Brasil passou de cerca de R$ 17 milhões para mais de R$ 100 milhões. “O que mostra que os parlamentares reconhecem o programa como a forma mais rápida de levar internet a essas comunidades”. E completa: “A ideia é acabar com o deserto digital do país. A integração de todas as políticas públicas do ministério tem um objetivo só: conectar todas as pessoas.”

Semana Nacional das Comunicações

De segunda-feira (3) a domingo (9), os veículos da Empresa Brasil de Comunicação (EBC) publicam o Especial Conecta, com conteúdos sobre a Semana Nacional das Comunicações. O especial reúne reportagens sobre história das telecomunicações, 5G, Internet das Coisas, o impacto das novas tecnologias na educação e no agronegócio, entre outros temas.

Prefeito Zé Figueiredo entrega kits para alunos da Educação Infantil do município

O prefeito de São José de Mipibu, Zé Figueiredo – MDB, entregou hoje kits para alunos do município da educação infantil.

O kit contém material escolar para que alunos acompanhem as aulas de forma remota no próximo trimestre, devido a pandemia do novo Coronavírus.

A entrega dos kits aconteceu no CMEI Anitta Sofia, localizado na comunidade Pau Brasil.

Zé Figueiredo parabenizou a equipe e esteve acompanhado pela Secretária Municipal de Educação, Lúcia Martins e pela técnica da pasta, Thimuza Varela

Fotos: Assessoria de comunicação

SÃO JOSÉ DE MIPIBU | Em live, Secretaria de Assistência Social vai comemorar Dia das Mães

A Secretaria Municipal do Trabalho, Habitação e Assistência Social (SEMTHAS), se reuniu na manhã do último dia 04 de maio, para planejar comemoração do dia das Mães para as usuárias do SUAS.

A celebração será por meio de transmissão ao vivo pelo canal no YouTube da Prefeitura Municipal, no dia 09 de maio a partir das 9:30 da manhã, e contará com apresentações culturais, homenagens e sorteios. “Devido a pandemia da Covid-19 estamos evitando aglomerações para proteção das famílias atendidas e dos servidores, mas é claro que não poderíamos deixar de celebrar essa data tão importante, então optamos por fazer uma comemoração de forma remota,  homenageando e acolhendo as mamães usuárias que tanto precisam de apoio nesse momento difícil de pandemia”, disse a secretária Suênia Abrantes.*

*Informações do Blog do KS

Mandetta diz à CPI que governo não quis fazer campanha oficial contra a Covid

O ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta disse nesta terça-feira (4) à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid no Senado que o governo federal não quis fazer uma campanha de comunicação oficial contra a Covid-19.

Mandetta afirmou que, quando era ministro, passou a dar entrevistas diárias a fim de transmitir informações e orientações sobre a doença porque não havia um plano de comunicação do governo.

“Aquelas entrevistas, elas só existiam porque não havia o Plano de Comunicação. Não havia. O normal, quando se tem uma doença infecciosa, é você ter uma campanha institucional. Como foi, por exemplo, a Aids. Havia uma campanha onde se falava sobre a Aids, como pega, e orientava as pessoas a usar preservativo. Era difícil para a sociedade brasileira fazer, mas havia uma campanha oficial. Não havia como fazer uma campanha [contra a Covid]; Não queriam fazer uma campanha oficial”, afirmou.

A CPI investiga ações e omissões do governo federal no combate à pandemia da doença causada pelo novo coronavírus. Além de Mandetta, os senadores devem ouvir os também ex-ministros da Saúde Eduardo Pazuello e Nelson Teich, assim como Marcelo Queiroga, atual ministro.

Mandetta respondeu a questionamento do senador Renan Calheiros (MDB-AL), relator da CPI da Covid, que quis saber se houve um pedido expresso do presidente Jair Bolsonaro para o então ministro reduzir a quantidade de entrevistas sobre a pandemia e se havia um plano de comunicação para substituir as entrevistas.

Na resposta, Mandetta também afirmou que existia a cobrança para explorar números positivos nas divulgações do Ministério da Saúde.

“Então, havia necessidade de manter a questão das informações. Mas realmente, era para… Havia um pedido assim ‘coloque o número’, essa coisa. ‘Por que não coloca o número dos curados? Tá colocando só os números…’ Então, a gente passou a colocar. Se é uma informação, vamos colocar a informação — informação positiva. Mas não havia essa iniciativa de comunicação”, declarou Mandetta.

2ª onda seria ‘menor’

Em outro momento do depoimento, em resposta a uma pergunta da senadora Simone Tebet (MDB-MS), Mandetta disse que a segunda onda da Covid-19 no Brasil seria “muito menor” se houvesse campanhas de educação em saúde, o que não foi feito.

“Promoção em saúde, que é feita não só pelo ministro, não só pelo presidente, mas é feita pelos ídolos, pelos atletas. Assim que nós fazíamos, por exemplo, vacina do Zé Gotinha, era o Ronaldinho. Utiliza-se o que o país tem de melhor para unir.

Eu acredito que teríamos tido uma onda muito menor”, disse o ex-ministro da Saúde.

Na sequência, o ex-ministro afirmou que, se houvesse uma “equipe técnica” na condução do Ministério da Saúde, a segunda onda sequer teria ocorrido.

“E, principalmente, se tivesse uma equipe técnica, tinha adquirido vacina, essa segunda onda não teria acontecido. Teria sido suprimida por vacinas”, declarou.

Paulo Gustavo morre de Covid no Rio, aos 42 anos

O ator e humorista Paulo Gustavo, um dos artistas mais populares e admirados do país, morreu nesta terça-feira (4), aos 42 anos, vítima de Covid-19. Criador de Dona Hermínia e de outros personagens inesquecíveis no teatro, na TV e no cinema, ele estava internado desde 13 de março no Hospital Copa Star, em Copacabana, na Zona Sul do Rio.

O quadro de saúde de Paulo Gustavo piorou na noite de domingo (2), quando sofreu uma embolia pulmonar. Antes, ele vinha apresentando melhoras significativas – chegou a ter redução de sedativos e bloqueadores e a interagir com médicos e com o marido, Thales Bretas.

Nesta terça, um novo boletim informou que o ator estava com quadro irreversível, mas mantinha os sinais vitais. Às 21h12, no entanto, foi constatada a morte do ator.

Portal G1

Paraibana Juliette é campeã do ‘BBB21’ com 90,15% dos votos e ganha R$1,5 milhão

A advogada e maquiadora paraibana, Juliette Freire, venceu a final do Big Brother Brasil 2021, na noite desta terça-feira (4). Com 90,15% dos votos, a campeã conquistou o público e levou para a casa o prêmio de R$ 1,5 milhão.

Tiago Leifert começou o discurso do grande resultado, falando sobre as transformações que todos os participantes sofrem ao longo do jogo. Ele citou as mudanças em Camilla de Lucas, Fiuk e Juliette, e elogiou os finalistas.

Sobre a paraibana, o apresentador disse: “Indecisa, sem noção, possessiva, frágil, caça- like, oportunista. Fora o que falaram na suas costas, isso eu não vou nem te falar. Tentaram te fazer louca, triste e má, você tem razão Juliette (…) Você nunca mais vai sentir sozinha. Juliette, você é um fenômeno. Você é a campeã!”

Juliette comemora o título do BBB21 — Foto: Globo

“Obrigada, Jesus. Obrigada, meu povo!”, diz a sister. “Eu vou fazer vocês sorrirem”, diz, muito emocionada.

Camilla de Lucas ficou em segundo lugar e recebeu 5,23% dos votos. Em terceiro, Fiuk recebeu 4,62%.

O trio ficou muito emocionado com o resultado. “Acreditem em vocês, acreditem nas pessoas”, disse Juliette.

Fábio Faria assina portaria de criação do programa Digitaliza Brasil

O ministro das Comunicações, Fábio Faria, assinou na tarde de hoje (4) portarias de criação de dois programas relacionados à rádio e teledifusão. A primeira institui a criação do programa Digitaliza Brasil, que viabiliza a segunda fase de transição do sinal de televisão analógico para o digital.

“A primeira fase [da transição de sinal] teve o foco em regiões metropolitanas e grandes cidades e a segunda fase avança para o interior. O sinal digital já está em mais de 2 mil cidades e alcança 75% da população. A meta agora é encerrar as transmissões analógicas, o que acontecerá em 31 de dezembro de 2023”, comunicou o ministro.

Segundo Fábio Faria, o texto de criação do Digitaliza Brasil inclui metas e diretrizes para famílias de baixa renda, que deverão ter a transição de sinal custeada pela arrecadação do leilão do 5G – que deve acontecer ainda neste semestre.

Em síntese, o Digitaliza Brasil permitirá que outorgas públicas sejam disponibilizadas sem burocracia a municípios pequenos, que necessitam de ação de empresas privadas para realizar a digitalização.

“Isso envolve a distribuição de 700 mil kits de digitalização que temos em estoque, a distribuição de até 4 milhões de kits de recepção para a população beneficiária de programas do governo federal e a infraestrutura de transmissão de TV a ser oferecida em 1.638 municípios”, complementou o secretário de Radiodifusão do Ministério das Comunicações, Maximiliano Martinhão.

FM do celular

A segunda iniciativa assinada por Fábio Faria foi a criação de uma parceria entre as esferas público e privada para que aparelhos celulares capazes de receber ondas de frequência modulada (FM) – segundo o ministro, 90% dos aparelhos produzidos no Brasil atendem a esse critério – possam ser usados para sintonizar rádio.

“A portaria assegura que celulares capazes de receber FM não sejam bloqueados. Isso é muito importante, porque apenas com essa ligação seremos capazes de levar informação – por exemplo, da covid-19 – a todos os brasileiros”, explicou o ministro. 

“O rádio é o meio de informação mais rápido e mais próximo da população. Seja nas grandes ou pequenas cidades do país, ele informa, entretém e presta serviços com qualidade e responsabilidade social”, complementou Maximiliano Martinhão.

O Ministério das Comunicações realizou, logo após os anúncios, a demonstração de uma das tecnologias que serão viabilizadas com a chegada do 5G – o som imersivo. A demonstração foi fechada apenas para membros do governo e representantes de empresas de rádiodifusão.

Assista na íntegra:

Edição: Pedro Ivo de Oliveira

Pazuello diz que não pode ir à CPI da Pandemia nesta semana

Sob a justificativa de ter tido contato com dois assessores que foram diagnosticados com covid-19, o ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello informou à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Pandemia que não poderá comparecer ao Senado amanhã (5) para prestar esclarecimentos. A informação foi dada nesta terça-feira (4) pelo vice-presidente do colegiado, senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP).

Como ministro que mais tempo ficou na pasta durante a pandemia do novo coronavírus – dez meses – o depoimento de Pazuello, aprovado na semana passada pela CPI, é um dos mais aguardados, por isso, foi o único da semana para o qual a comissão reservou um dia inteiro.

O ex-ministro, que estava no comando da pasta no auge da crise da covid-19, deve ser questionado, entre outros assuntos, sobre a falta de oxigênio em Manaus, o número de mortes e infectados pela doença e a demora na compra de vacinas.

Com o impedimento de Pazuello, uma nova data deve ser marcada para a ida do ex-ministro ao Senado, visto que muitos senadores resistem à possibilidade de depoimentos remotos. Senadores querem evitar que os convocados recebam orientações sobre como responder às perguntas, em depoimentos remotos.

Por decisão do presidente do colegiado, senador Omar Aziz (PSD-AM), o depoimento do antecessor dele, o médico Nelson Teich, que seria na tarde hoje, foi adiado para amanhã.

CPI da Pandemia tem bate-boca e primeiros convocados a depor

A base governista queria pedir a convocação de médicos e especialistas que defendem o tratamento precoce para a covid-19 e que são contra o distanciamento social. O relator Renan Calheiros não permitiu que esses requerimentos fossem votados. Teve início um bate-boca. Também na sessão desta quinta (29) foi votado o calendário da comissão. Os quatro últimos ministros da Saúde e o diretor-presidente da Anvisa vão depor na semana que vem.

Assista ao vídeo.