Governo do RN vai adquirir 2,1 milhões de seringas para vacinação da Covid-19

O Governo do Rio Grande do Norte vai adquirir 2,1 milhões de seringas para as primeiras fases de aplicação da vacina contra a Covid-19 entre os potiguares.

A expectativa da Secretaria Estadual de Saúde Pública (Sesap) é de que os insumos estejam disponíveis até o dia 21 de janeiro de 2021 – data estimada para o início do plano de imunização estadual. Para que isso ocorra dentro das estimativas, o Ministério da Saúde precisa ter iniciado a distribuição das doses do Plano Nacional de Imunização (PNI) ainda na primeira quinzena de janeiro.

De acordo com o plano de Vacinação do Estado do Rio Grande do Norte, estão em fase de aquisição total de dois milhões de seringas, com agulhas de 25×6, destinadas especificamente à vacinação contra Covid-19.

Além disso, outras 150 mil seringas (com agulha 20×5,5) também serão adquiridas para a imunização contra o novo coronavírus. A Secretaria Estadual de Saúde Pública não informou o valor que será gasto com a compra dos insumos. Também informou como será o processo de compra nem se será feito com dispensa de licitação.

Segundo apurou o Agora RN, a partir do registro de preço em licitações abertas em outras unidades da Federação, o custo das seringas com agulhas 25×6 pode variar entre R$ 4,96 até R$ 13 – para a caixa com 100 unidades. Já as caixas com seringas 25×5,5 variam entre R$ 6 e R$ 11. Em 11 de dezembro, no anúncio do plano de vacinação, o governo estadual anunciou R$ 1,1 milhão para a rede de frios (câmaras frias e salas de vacinação) e outros R$ 4 milhões em insumos para a aplicação das vacinas, como as seringas, luvas, máscaras e outros equipamentos de proteção dos servidores da saúde que irão aplicar as vacinas.

Caso o Ministério da Saúde disponibilize as vacinas na primeira quinzena de janeiro, o Rio Grande do Norte pretende imunizar os primeiros potiguares em 21 de janeiro. A estimativa inicial é de imunizar 730 mil pessoas nas três primeiras fases de vacinação.

O plano nacional prevê a adesão do Brasil às seguintes vacinas: consórcio Covax Facility, Oxford/Astrazeneca, Pfizer, Instituto Butantã, Bharat Biotech, Moderna e Janssen. A estimativa inicial. De acordo com a Secretaria de Estado de Saúde, o governo deve armazenar os imunizantes na Central Estadual de Rede de Frio, em Natal, e, em seguida, as vacinas serão transportadas para seis centrais regionais de saúde — que serão responsáveis pela distribuição das doses das vacinas aos municípios.

Caberá às prefeituras o transporte das vacinas para os postos de saúde. A estrutura conta com uma Central Estadual, além das gerências localizadas nos municípios de João Câmara, São José do Mipibu, Mossoró, Pau dos Ferros, Santa Cruz e Caicó.

Agora RN

Decreto adia para dia 15 a fração 2 da fase 1 da retomada das atividades econômicas

Decreto adia para dia 15 a fração 2 da fase 1 da retomada das atividades econômicas

Governo do RN publica no Diário Oficial do Estado (DOE) desta quarta-feira (8) novo decreto que adia o início da Fração 2 da Fase 1 do Cronograma de Retomada Gradual Responsável das Atividades Econômicas para o próximo dia 15. Ele também prevê que a Fração 2 da Fase 1 será executada concomitantemente com a Fração 1 da Fase 2, prevista para iniciar em 15 de julho de 2020.

“Todos queremos voltar o mais rápido às atividades normais. Mas precisamos fazer isso de forma segura e com responsabilidade. O momento da pandemia ainda é muito grave, os estudos das nossa Secretaria de Saúde e do Comitê Científico que assessora o nosso Governo mostram isso. É para permitir que as pessoas que contraírem o vírus tenham assistência digna de saúde que estamos adiando por mais sete dias o cronograma de reabertura. Esta é uma medida para preservar vidas e esperamos contar com a compreensão e apoio das prefeituras e da sociedade como um todo, cada um fazendo a sua parte, respeitando as medidas protetivas e usando máscara”, afirmou a governadora Fátima Bezerra.

O novo decreto leva em consideração a manutenção no índice de isolamento social em percentual em torno de 40%, conforme atualização publicada no Boletim Epidemiológico desta terça-feira, 7 de julho. Este percentual está abaixo de 50%, taxa mínima considerada ideal pelas autoridades sanitárias.

O documento também considera a estabilização da taxa de transmissibilidade da COVID-19, que tem média de 0,91 nos últimos 15 (quinze) dias e de 0,94 na última semana, segundo a avaliação do laboratório de Inovação Tecnológica em Saúde (LAIS), da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

O adiamento considera, ainda, a consulta respondida pelo Comitê de Especialistas da Secretaria de Estado da Saúde Pública (SESAP/RN), através da Recomendação nº 011/2020, para a não implementação do segundo estágio da primeira fase da Retomada Gradual Responsável das Atividades.

O decreto 29.815 mantém a exigências e responsabilidades às empresas e estabelecimentos autorizados a funcionar na fração 1 da fase 1 (lojas com até 300 metros quadrados de área e com porta para a rua, serviços de comunicação, publicidade, design, salão de beleza e barbearias) que são o fornecimento de material de higienização a funcionários e clientes, respeitar o distanciamento social e exigir o uso de máscara a todos para acesso ao local.

A fração 2 da fase 1 de retomada previa para este dia 8 de julho a reabertura dos seguintes estabelecimentos:
LOJAS – (Lojas até 600 m 2 e com “Porta para Rua”)

  1. Lojas de móveis, eletrodomésticos e colchões
  2. Lojas de departamento e magazines (que não funcionem em Shoppings ou Centros Comerciais)
  3. Agências de Turismo
  4. Calçados
  5. Lojas de brinquedos, artigos esportivos e de caça e pesca
  6. Instrumentos musicais e acessórios, equipamentos de áudio e vídeo, de eletrônicos/informática e de equipamentos de telefonia e comunicação
  7. Joalherias, relojoarias, bijuterias e artesanatos
  8. Cosméticos e perfumaria

No setor de alimentação estava prevista a reabertura de restaurantes, lanchonetes e food parks de até 300 m2, desde que comportassem apenas 4 pessoas por mesa, mantendo a distância de 2 metros entre as mesas e de 1 metro entre pessoas, sem venda e consumo de bebida alcoólica no estabelecimento.

Agora RN