Covid: média móvel de mortes no Brasil fica abaixo de 800 pelo 2º dia

A média móvel de mortes por Covid-19 no Brasil registrou uma ligeira alta e chegou a 781 neste domingo (22/8). Apesar do aumento, o indicador se manteve abaixo do patamar de 800 óbitos diários pelo segundo dia seguido. O país registrava índices acima de oito centenas de mortes desde janeiro deste ano, há sete meses.

Em comparação com a taxa verificada há duas semanas, houve retração de 13%, o que sinaliza estabilidade na quantidade de óbitos. Nas últimas 24 horas, foram 318 mortes em decorrência do vírus e 14.404 novos infectados notificados em todo o país. Os dados constam no mais recente balanço divulgado pelo Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass).

No total, o Brasil já perdeu 574.527 vidas para a doença e computou 20.570.891 casos de contaminação.

evido ao tempo de incubação do novo coronavírus, adotou-se a recomendação de especialistas para que a média móvel do dia seja comparada à de duas semanas atrás.

Variações na quantidade de mortes ou de casos de até 15%, para mais ou para menos, não são significativas em relação à evolução da pandemia. Já percentuais acima ou abaixo devem ser encarados como tendência de crescimento ou de queda.

Metrópoles

CEPA COVID: Nascida nos EUA, variante Lota chama a atenção pela letalidade; 60% mais mortal do que a original detectada em Wuhan

Os resultados de um novo estudo realizado por pesquisadores do Departamento de Saúde e Higiene Mental da Cidade de Nova York e da Escola Mailman de Saúde Pública, da Universidade de Columbia, ambos nos Estados Unidos, surpreenderam os pesquisadores. O trabalho identificou que as taxas de transmissão, de mortalidade e a capacidade de escapar do sistema imunológico de uma variante do coronavírus chamada Lota é maior do que se previa inicialmente. A Lota foi identificada pela primeira vez em novembro de 2020, na cidade de Nova York, e não há casos registrados no Brasil.

A pesquisa ainda não foi revisada por outros pesquisadores, procedimento que é adotado em trabalhos científicos, mas já causou impacto, ao indicar que a variante consegue escapar do sistema de defesa do organismo em até 10% dos casos. Além disso, a Lota tem uma taxa de letalidade semelhante à Alfa, que foi detectada pela primeira vez no Reino Unido, e é 60% mais mortal que a variante originada em Wuhan, na China.

Consulte mais informação
Ainda sob análise, pacientes com sintomas duradouros de Covid se sentem melhor após vacina

Judy Dodd começou a lutar contra os sintomas duradouros da Covid na última primavera no hemisfério Norte (outono no Brasil) —falta de ar, dor de cabeça, cansaço. Então, ela foi vacinada. Depois da primeira dose da Pfizer-BioNTech, no final de janeiro, Judy se sentiu tão mal fisicamente que teve de ser convencida a tomar a segunda. Durante três dias depois, ela também se sentiu péssima. Mas, no quarto dia, tudo mudou. “Eu acordei e pensei ‘Que linda manhã!’”, disse a professora, que também é atriz e diretora. “Foi como se eu estivesse dirigindo ‘Sweeney Todd’ há meses e, de repente, estava dirigindo ‘Oklahoma’.”

Judy, que continua se sentindo bem, é uma das várias pessoas que estão relatando que os sintomas pós-Covid que tiveram durante meses começaram a melhorar desde que foram vacinadas. É um fenômeno que médicos e cientistas estão observando de perto, mas, como em diversos pontos relacionados à pandemia, há muitas incertezas.

Além das pessoas que relatam sentir-se melhor após as injeções, muitas dizem que não sentiram mudanças e um pequeno número afirma que se sentiu pior.

Os relatos dos médicos também variam. Daniel Griffin, especialista em doenças infecciosas na Universidade Columbia, disse que cerca de 40% dos pacientes antigos de Covid que ele trata citam melhoras dos sintomas após a vacinação. “O cansaço não é tão grande e, às vezes o olfato retorna”, afirma Griffin.

Outros médicos dizem que ainda é cedo para saber ao certo. “Muito poucos participantes foram vacinados até agora para realmente termos uma visão maior dessa questão”, disse Michael Peluso, especialista em doenças infecciosas que trabalha em um estudo de pacientes antigos de Covid na Universidade da Califórnia.

Consulte mais informação
Vereador, cantor gospel e ex-Olodum, Irmão Lázaro morre na Bahia vítima da Covid-19

Vereador em Salvador (BA) pelo PL e cantor gospel, Antônio Lázaro Silva, conhecido como Irmão Lázaro, morreu nesta sexta-feira (19) aos 54 anos, em Feira de Santana, no interior baiano, onde estava internado desde 25 de fevereiro após contrair Covid-19. “Hoje a pessoa mais importante da minha vida se foi. O homem que eu mais amei e continuarei amando o resto da vida”, lamentou a filha Marta Silva.

Nascido no bairro da Federação, em Salvador, o político e artista tocou contrabaixo em várias bandas baianas, em bares, boates e, em outra fase da vida, ficou famoso como um dos integrantes da Banda Olodum. Nessa época, era conhecido como Lázaro Negrume e emplacou um grande sucesso, a música “I miss Her”, também chamada de “melô do pom pom pom”, um dos grandes hits do axé.

A jornada gospel começou após um período de dependência química. Pastor da igreja Batista Luz Divina em Feira de Santana, ele adotou o nome de Irmão Lázaro e passou a fazer shows e apresentações em igrejas, congressos e encontros religiosos.

O artista levou o axé para suas louvações, com grande sucesso. O “pom, pom, pom” de “I miss her” se transformou em “eu sou de Jesus, eu sou de Jesus”.

A vida política começou em 2014, quando ele foi eleito deputado federal. Quatro anos depois, tentou uma vaga no Senado pelo PSC, mas não foi eleito. Nas eleições de 2020 conseguiu uma das vagas na Câmara Municipal de Salvador.

Também foi secretário de Relações Institucionais em Salvador, em 2016. Coordenou o projeto “Sua Vida Vai Mudar”, focado na recuperação de dependentes químicos.

Irmão Lázaro é o fundador da Comunidade Terapêutica Sentimento Novo, que recebe dependentes químicos para tratamento. “Em apenas uma semana, 15 mil pessoas morreram no país. Só eu perdi duas pessoas muito queridas. Hoje, com tristeza, me despeço de Irmão Lázaro, mais uma vítima da Covid. Não são só números. São vidas, histórias, famílias em luto”, lamentou o ACM Neto, ex-prefeito de Salvador e presidente nacional do DEM.

ACM Neto lembrou do vereador como um artista que emocionou muita gente com a voz inconfundível.

O deputado federal Kim Kataguiri disse estar muito triste com a morte de Irmão Lázaro. “Mais um dos mais de 290 mil brasileiros que não resistiram a esse vírus maldito. Meus sentimentos aos amigos e familiares”, afirmou.

FOLHAPRESS