Marinha emite aviso de ventos fortes e ondas de até 2,5 metros no litoral do RN

Um alerta de ressaca com ondas de até 2,5 e ventos de até 61km/h no litoral do Rio Grande do Norte foi emitido pela Marinha do Brasil. Com validade até a próxima quarta-feira (29), o comunicado é valido para a área entre Natal e Maceió (AL).

Já o alerta de ventos fortes, a área costeira entre Natal e São Luís (MA) e para área oceânica entre Natal e Maceió, são os locais que devem ter cautela. Devido o mau tempo, também é recomendado pela Capitania dos Portos do RN que embarcações de pequeno porte evitem navegar nesse período.

Com relação às outras embarcações, a Capitania remenda as seguintes precauções: atenção de salvatagem, estado geral dos motores, casco, bomba de esgoto do porão, equipamentos de rádio e demais itens de segurança.

Unesp aponta potencial tratamento do novo coronavírus

Estudo realizado no Instituto de Biociências (IBB) da Universidade Estadual Paulista (Unesp) indicou potencial alvo para tratamento da Covid-19. Um gene identificado pelos pesquisadores pode estar associado a interações entre proteínas pulmonares e o novo coronavírus, o que pode indicar um método de combate à doença.

Os pesquisadores identificaram a alteração na expressão de um gene chamado TRIB3, responsável pela produção de uma proteína de mesmo nome e que tem alta probabilidade de interagir com a proteína do novo coronavírus em células epiteliais do pulmão – essas células fazem o revestimento interno do órgão e são alvos preferenciais do novo coronavírus. Segundo o estudo, essa proteína já foi anteriormente relatada como capaz de diminuir a infecção e a replicação de outros vírus.

“A TRIB3 tem o potencial de interagir com proteínas do vírus e isso pode, por exemplo, diminuir a replicação do vírus dentro da célula, como já demonstrado para o vírus da hepatite C. Ou seja, existe a possibilidade de que uma interação da TRIB3 com proteínas do SARS-CoV-2 [novo coronavírus] iniba o ciclo biológico do vírus”, disse o pesquisador do IBB da Unesp, Robson Carvalho, que lidera o estudo.

O gene TRIB3 diminui sua expressão em pessoas idosas do sexo masculino, o que pode ajudar a explicar a ocorrência de casos mais graves nessa população. Com esses resultados, de acordo com os pesquisadores, compostos capazes de reverter esse processo e que consigam estimular a expressão de TRIB3 devem ser avaliados como potencial tratamento contra o novo coronavírus.

Segundo Carvalho, na Europa, já há uma empresa espanhola realizando ensaios clínicos com um medicamento contra o câncer de endométrio que é capaz de aumentar a atuação da TRIB3.

Início do estudo

O trabalho de pesquisa começou há cerca de um ano, mas estava voltado para o estudo da caquexia – perda de peso e atrofia muscular – em pacientes com câncer de pulmão. Os pesquisadores estudavam o perfil da expressão do gene ao longo do envelhecimento do pulmão. Em março, com a pandemia da Covid-19, os cientistas redirecionaram o trabalho para pesquisar a doença, com apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp).

“A nossa ideia inicial era identificar moléculas que são secretadas pelo pulmão e que podem eventualmente atuar em outros órgãos e tecidos. Conversamos e pensamos ‘se estamos analisando moléculas liberadas pelo tumor do pulmão que podem atuar em outros órgãos, poderíamos pensar em uma abordagem semelhante e avaliar a interação entre proteínas pulmonares e proteínas do vírus da Covid-19’”, explicou Carvalho.

São José de Mipibu recebe quase 1 milhão de reais para enfrentamento da COVID-19

O Governo Federal destinou ao município de São José de Mipibu, o montante de R$ 922.284,41.

Os valores recebidos são oriundos do Ministério da Saúde que transferiu os valores para o Fundo Municipal de saúde de São José de Mipibu.

A implementação dos recursos deve-se ao “financiamento de ações e serviços públicos de saúde, compreendidos por ações de atenção básica, vigilância – média e alta complexidade – bem como aquisição e distribuição de medicamentos e insumos, aquisição de equipamentos, contratação de serviços de saúde, contratação temporária de pessoal, divulgação de informações à população, bem como outras despesas necessárias para o enfrentamento do novo Coronavírus” (COVID-19).

:Vale destacar que a implementação desta ação orçamentária no município, também será útil para inclusão de outros recursos como os estaduais, e mesmo de recursos municipais, voltados ao enfrentamento da COVID-19″.

“A utilização desses recursos deve ser embasada sempre em um processo de planejamento permanente e pela transparência de sua utilização, em consonância com o plano de contingência municipal (caso exista), regional e estadual.”

É importante destacar que a população é a principal envolvida nesse processo, porém, o Prefeito, Secretários e Comitês do município, devem fazer a sua parte.

O que chama a atenção é que a primeira parcela, dos mais de 920 mil, foi transferida para o município no dia 30 de março de 2020 e a segunda parcela no último dia 09 de abril de 2020, não havendo nenhuma divulgação do recebimento de tais recursos federais, bem como, ações de notificação a toda população, barreiras sanitárias nos principais acessos ao município, fiscalização em agências bancárias, dentre outras.

Se o governo municipal não agir, estaremos a cada instante em um campo minado, pois existem casos suspeitos em vários lugares do município.

Enfim, fazer o planejamento para o uso desses recursos é uma obrigação, e este deve ser apresentado pelo município através de lives, informativos impressos ou digitais.

A vizinha cidade, Parnamirim, já divulgou o Plano Municipal de Contingência para Covid-19. O que falta para São José de Mipibu divulgar?

Como perguntar não ofende, eis a pergunta: “por que não houve qualquer divulgação por parte do governo Arlindo Dantas?”

Ps: Os recursos não são provenientes de emendas parlamentares, são sim, do Governo Federal. Só para lembrar aos desavisados que se aproveitam da pandemia para fazer politicagem.

RN está em primeiro lugar do Nordeste na vacinação contra a influenza

O Rio Grande do Norte alcança resultado satisfatório na primeira etapa da vacinação contra a influenza, ocupando, na manhã desta segunda-feira (13), o primeiro lugar no Nordeste e o terceiro lugar no Brasil, com índice de 50,12% de cobertura vacinal.

“É um dado bastante positivo, visto que estamos bem acima da média nacional, que está em 42,8%, e da média do Nordeste, que está em 41,3%”, explica a coordenadora do programa estadual de imunização, Katiúcia Roseli.

Ela explica que mesmo com o encerramento da primeira etapa, os idosos e profissionais de saúde podem tomar a vacina. “A vacinação acontece de forma cumulativa, então os grupos da primeira etapa podem se vacinar até o final da campanha. A organização das datas foi feita para evitar aglomerações, mas as doses continuam disponíveis”.

A segunda etapa da vacinação acontece a partir do dia 16 de abril, quando devem tomar a vacina os profissionais das forças de segurança e salvamento, doentes crônicos, caminhoneiros, motoristas de transporte coletivo e portuários.

A terceira fase acontecerá no período de 9 a 22 de maio, voltada para a vacinação de professores, crianças de seis meses a menores de seis anos, grávidas, mães no pós-parto, população indígena, pessoas acima de 55 anos e pessoas com deficiência.

A meta é vacinar, pelo menos, 90% de cada um desses grupos, até o dia 22 de maio. Este ano, no Estado, 1.108.180 pessoas estão previstas serem vacinadas. Para isso, o Ministério da Saúde enviará 1.214.800 doses, que garantirão a vacinação de 100% do público-alvo para a campanha.

Como forma de garantir a vacinação contra a influenza e conter a pandemia da Covid-19, a Sesap tem orientado os municípios a montar estratégias para evitar aglomerações, como o aumento da quantidade de locais disponíveis à população, além de medidas para prevenção dentro das unidades.

Papa apela ao “contágio da esperança” para derrotar o coronavírus

O papa Francisco propôs neste domingo (12) a redução ou mesmo a anulação da dívida dos países pobres. Ele apelou a um “cessar-fogo mundial e imediato” e a uma redução das sanções internacionais, considerando a pandemia da Covid-19.

Na sua mensagem de Páscoa, lida numa basílica de S. Pedro vazia, o papa desejou que “sejam aligeiradas as sanções internacionais que impedem os países que as sofrem de proporcionarem um apoio conveniente aos seus cidadãos” e apelou à solidariedade internacional “reduzindo, se não mesmo anulando, a dívida que pesa sobre os orçamentos dos países mais pobres”.

Armas

Na mensagem, ele apelou a um “cessar-fogo mundial e imediato”. “Não é tempo de continuar a fabricar e a traficar armas, desperdiçando avultados capitais que deveriam ser utilizados para tratar as pessoas e salvar vidas”, disse.

O chefe da Igreja Católica pediu ainda à Europa “solidariedade” e “soluções inovadoras” diante da pandemia da covid-19.

Francisco dirigiu os seus pensamentos “a todos aqueles que foram atingidos diretamente pelo coronavírus”, aos “doentes, aos que morreram e às famílias”.

Num mundo “oprimido pela pandemia, que coloca uma dura prova à nossa grande família humana”, é preciso responder com o “contágio da esperança”, afirmou.

Páscoa: OMS apela a religiosos uso dos sermões para combater desinformação

Ciente da influência de religiosos em muitas comunidades, a OMS apela para que igrejas e comunidades de fé ajudem a combater a desinformação e que usem sermões para esclarecer as medidas que seguidores devem tomar para se proteger e cuidar dos demais.

Num comunicado enviado a líderes religiosos, a entidade pede que ampliem o uso a internet, rádio e televisão para difundir suas mensagens e que, com a tecnologia, consigam evitar que aglomerações sejam promovidas.

A orientação da OMS é clara:

“Evitar grandes reuniões de grupo e realizar rituais e atividades relacionadas com a fé à distância/virtualmente, conforme necessário e sempre que possível assegurar que qualquer decisão de convocar reuniões de grupo para culto, educação ou reuniões sociais se baseie numa avaliação sólida dos riscos e em conformidade com as orientações das autoridades nacionais e locais”.

“Instituições religiosas e organizações religiosas devem proteger os seus membros, ajudando-os a manter uma distância segura entre eles”, defende a OMS. A entidade pede que religiosos desencorajem encontros físicos não essenciais e que organizem encontros virtuais através de transmissões em direto, televisão, rádio, meios de comunicação social.

Nos poucos locais onde missas e cerimônias ainda são permitidas, a entidade apela para que medidas de cuidado sejam tomadas para evitar que centros religiosos se transformem em locais de difusão da doença. Entre os cuidados está o de não beijar santos ou outras divindades.

*Jamil Chade |Uol